PROTOCOLOS SANITÁRIOS PARA RETORNO PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES GERAIS

Eixos de trabalho:

 

  • Garantir o DISTANCIAMENTO SOCIAL de ao menos 1,5 metro, de todos, a todo o momento, sempre com uso de máscara
  • Adotar boas práticas de HIGIENE PESSOAL: higienização frequente das mãos com água e sabão ou álcool em gel 70%, além do uso de máscaras
  • Reforçar a LIMPEZA E HIGIENIZAÇÃO DE AMBIENTES, aumentando a frequência e utilizando produtos adequados para eliminação do vírus
  • Manter uma boa COMUNICAÇÃO sobre os procedimentos vigentes no estabelecimento, garantindo mais adesão às diretrizes adotadas
  • Estruturar o MONITORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE garantindo a triagem de sintomas e o acompanhamento de casos suspeitos e confirmados na empresa

Geral:

 

  • Obrigatório o distanciamento de 1,5 m entre as pessoas, especialmente na sala de aula, exceto na educação infantil
  • Recomendável adotar ensino remoto combinado com o retorno gradual das atividades presenciais.
  • O uso de salas dos professores, de reuniões e de apoio deve ser limitado a grupos pequenos e respeitar o distanciamento de 1,5 metro entre as pessoas (obrigatório)
  • Atividades de educação física, artes e correlatas podem ser realizadas mediante cumprimento do distanciamento de 1,5 m, preferencialmente ao ar livre (recomendável)
  • Higienizar os banheiros antes da abertura, após o fechamento e, no mínimo, a cada três horas (obrigatório)
  • Higienizar os prédios, as salas de aula e, particularmente, as superfícies que são tocadas por muitas pessoas (mesas de refeitórios, carteiras, puxadores de porta e corrimões), antes do início das aulas em cada turno e sempre que necessário (obrigatório)
  • Priorizar o atendimento ao público por canais digitais (telefone, aplicativo ou online).
  • Produzir materiais de comunicação para distribuição nas instituições de ensino na chegada dos estudantes, com explicações de fácil entendimento sobre a prevenção da COVID-19 (recomendável)

 

  • Promover cultura de atenção aos procedimentos de limpeza pessoal
  • Garantir que funcionários e estudantes conheçam os riscos e os procedimentos adotados.
  • Orientação aos pais ou responsáveis para aferirem a temperatura dos estudantes antes de eles irem para a instituição de ensino e ao retornar. Caso a temperatura esteja acima de 37,5ºC, a recomendação é ficar em casa.
  • É recomendável que as instituições escolares também afiram a temperatura das pessoas a cada entrada.
  • Uso de máscara obrigatório dentro da instituição de ensino e no transporte escolar
  • Lavar as mãos com água e sabão ou álcool gel 70%.
  • Fornecer água potável de modo individualizado. Cada um deve ter seu próprio copo.
  • Certificar-se que o lixo seja removido no mínimo três vezes ao dia e descartado com segurança (obrigatório)
  • Manter os ambientes bem ventilados com as janelas e portas abertas, evitando o toque nas maçanetas e fechaduras (recomendável)
  • Não permitir a permanência de pessoas sintomáticas para Covid-19 na instituição de ensino
  • Profissionais e alunos que fazem parte dos grupos de risco devem ficar em casa e realizar as atividades remotamente na primeira etapa do plano de retorno às atividades presenciais
  • Separar uma sala ou uma área para isolar pessoas que apresentem sintomas na instituição de ensino até que possam voltar para casa
  • Feiras, palestras, seminários, competições e campeonatos esportivos, além de comemorações e assembleias, estão proibidos
  • Recreios devem ser feitos com revezamento de turmas em horários alternados (recomendável)
  • Organização de horários de entrada e saída, evitando aglomeração
  • Comunicar às famílias e estudantes sobre o calendário de retorno e os protocolos com no mínimo 7 dias de antecedência (recomendável)
  • Separar as crianças em grupos ou turmas fixos e não misturá-las – Infantil – (recomendável)
  • Crianças não devem levar brinquedos de casa para a escola – Infantil – (obrigatório)

PARA ESCOLA

Estratégias básicas:

 

  • Avaliar e definir se o retorno será de forma gradual ou se os alunos vão retornar todos de uma vez, bem como se a opção será pelo ensino híbrido ou pelo ensino remoto para alguma das séries ou etapas
  • Avaliar se as condições de higiene de todos os espaços estão adequadas, com água, sabonete de limpeza das mãos e álcool em gel 70% disponíveis para todos
  • Deve-se, antes de serem iniciadas as atividades na escola, realizar uma análise da situação dos profissionais da instituição, além de fazer uma triagem dos alunos. O objetivo será definir quem pode ou não retornar e em que condições
  • No caso de estudantes ou profissionais da educação, fazem parte do grupo de risco quem possui: cardiopatias; doenças pulmonares crônicas; diabetes; obesidade mórbida; doenças imunossupressoras ou oncológicas; pessoas com mais de 60 anos; gestantes e lactantes. Para esses grupos, devem ser adotadas estratégias de realização de atividades não presenciais

 

  • Mapeamento das famílias que encaminharão as crianças para o atendimento presencial
  • Número de crianças/adultos envolvidos no retorno que já testaram positivo, ou que já possuem anticorpos
  • Adequação do horário de funcionamento dos turnos com flexibilização para a limpeza
  • Organizar um fluxo de comunicação com as famílias para tirar dúvidas e informar sobre contato provável e casos suspeitos
  • Orientar as famílias sobre a comunicação necessária quando houver qualquer sinal ou sintoma de COVID no estudante ou nos familiares que estiverem em contato
  • Favorecer a comunicação remota e discutir, juntamente com a toda comunidade escolar, sobre as ações necessárias para o retorno ao atendimento presencial, utilizando as plataformas digitais disponíveis (Facebook, WhatsApp, Google Classroom, Meet, entre outras)
  • Intensificar os canais de comunicação para tratar do planejamento do retorno com os diferentes públicos – Família, Docente, Equipe de Apoio, Transporte Escolar e Comunidade Educativa, informando quanto às modificações, adequações, entre outros
  • Aferição diária da temperatura de todos os profissionais
  • O uso de Equipamentos de Proteção Individuais – EPI deve ser observado pelos profissionais que recolhem, coletam ou manuseiam o lixo, sendo indicado o uso de luvas longas e resistentes, calçado fechado, calça comprida, camisa fechada de manga comprida, máscara tipo PFF2 e proteção ocular;
  • Os EPIs devem ser higienizados com frequência e as roupas de trabalho lavadas diariamente
  • Se um ou mais sintomas ocorrerem em um estudante (como tosse, espirro, falta de ar, dor de garganta, fadiga, distúrbios digestivos, sensação de febre etc.), este deverá ser isolado imediatamente em sala apropriada. O uso da máscara, nesse caso, é recomendado. Em caso de dúvida, entrar em contato com o serviço de saúde. Deverá ser feita a chamada imediata dos familiares ou responsáveis legais para vir buscar o estudante, respeitando os métodos de barreira. O estudante poderá retornar às aulas somente após liberação médica. O mesmo vale para os profissionais da escola
  • Os brinquedos dos parquinhos deverão ser isolados para evitar aglomeração dos estudantes, além do contato com superfícies compartilhadas por todos, isso poderá ser feito cobrindo-os com plástico e colocando barreiras de acesso.
  • Em função do cumprimento das normas sanitárias, que envolvem o distanciamento e, portanto, a diminuição da quantidade de estudantes em um mesmo espaço, as turmas serão divididas e precisarão ser atendidas por docentes que estão em trabalho presencial. Se necessário, poderão atuar em outras turmas

No caso de um teste positivo para SARS-CoV-2 (COVID-19):

 

  • Limpeza e desinfecção completas das instalações e objetos ocupados pelo estudante, potencialmente afetados nas 48 horas anteriores ao seu isolamento
  • Informações para funcionários e pais de estudantes que puderam ter entrado em contato com o estudante doente
  • A decisão de isolamento de toda a turma ou períodos será tomada em conjunto com os envolvidos.

Banheiros:

 

  • Limitar o número de pessoas presentes nos banheiros para respeitar o distanciamento físico
  • Gerenciar o fluxo de estudantes para os banheiros (saída e retorno à sala de aula)
  • Certificar-se de que os mictórios utilizados estejam separados por, pelo menos, 1m de distância (ou neutralizar todos os outros mictórios)
  • Garantir o fornecimento permanente de sabão líquido, papel higiênico e papel toalha
  • Orientar os estudantes a fechar a tampa da privada antes de acionar a válvula da descarga, evitando a formação de aerossóis e contaminação do ambiente
  • Garantir uma limpeza diária completa e desinfecção regular de superfícies frequentemente tocadas

Salas de reunião

 

  • Usar assentos com pelo menos 1 metro de distância e evitar sentar frente a frente a outra pessoa
  • Limpar e desinfetar tudo antes e depois de uma reunião; não deixar nenhum objeto na sala ou desinfetá-lo antes do uso

Calendário de retorno

Os educadores voltarão 15 dias antes dos estudantes para garantir o planejamento das ações de acolhimento e estudo dos protocolos sanitários adotados pela escola.

Em relação ao retorno dos estudantes:

 

  • Primeira semana: retorno com vistas à escuta dos mesmos, ações de acolhimento, estudo dos protocolos sanitários, entendimento das dinâmicas de entrada, saída, uso dos espaços coletivos e momentos de refeições
  • Segunda semana: planejamento das atividades pedagógicas
  • Terceira semana em diante: implementação das ações pedagógicas estabelecidas

Quarentena dos livros 

 

  • Sugestão: cinco dias (manuseio apenas a partir do sexto dia). Não há necessidade de nenhum produto para desinfecção. Basta que os livros sejam colocados numa caixa de papelão ou em outro lugar e fiquem os cinco dias. Este é o protocolo a ser utilizado nas Bibliotecas que foi feito conjuntamente com o grupo da Sociedade Paulista de Infectologia com bases em pesquisas científicas

Protocolos para refeições

 

  • Adotar protocolos de distanciamento em função do tamanho e capacidade de atendimento do refeitório
  • Garantir a ventilação do ambiente durante os momentos de distribuição da refeição
  • Adotar o escalonamento de horários para refeição a fim de evitar aglomeração, quando necessário
  • Para limpeza das mesas e cadeiras, seguir rigorosamente as orientações técnicas e protocolos de higiene
  • Orientar estudantes para a retirada, guarda e recolocação da máscara nos momentos que antecedem e precedem as refeições
  • Reforçar os protocolos de higienização das mãos e uso de álcool gel
  • Orientar e cuidar para que os estudantes não compartilhem copos ou canecas, talheres e alimentos
  • Orientar os adultos designados para acompanhar os momentos de refeição a não manipular objetos pessoais, especialmente celulares
  • Após o consumo das refeições, criar estratégias que inibam a aglomeração de estudantes no refeitório

Formação e treinamento

O planejamento é essencial para minimizar as dificuldades na readaptação e segurança frente ao possível contágio, portanto, cabe à instituição garantir e acompanhar treinamentos a toda equipe escolar, em suas respectivas áreas de atuação, quanto:

 

  • Ao uso dos EPIs, circulação nos espaços, ventilação natural das salas, higienização e limpeza adequada a cada espaço, cuidados no contato com os estudantes, controle de contato entre as crianças nas atividades internas e externas, lavagem correta das mãos, uso imprescindível de luvas nos momentos de trocas de fraldas e higienização das crianças, e na oferta de alimentação
  • Comunicar e informar, aos professores, grupo de apoio, familiares e responsáveis pelos estudantes, através do ClipEscola, grupos de WhatsApp, e-mail ou Google Classroom o retorno às atividades com antecedência para que cada grupo possa tomar as providências necessárias para um retorno acolhedor e seguro
  • Preparar o profissional responsável para informar de maneira clara e objetiva aos pais e responsáveis que: crianças com temperatura acima de 37,5°C, ou com sintomas como dor de garganta, dificuldade respiratória, fadiga, coriza, dor de cabeça, não poderão adentrar a unidade escolar
  • Orientar que a entrada e saída ocorrerá somente pelos portões determinados, para evitar circulação excessiva nos espaços da unidade, e garantir a higienização
  • Garantir, treinar e acompanhar a disponibilização e uso dos EPIs para toda equipe de acordo com os protocolos estabelecidos para cada área de atuação
  • Utilizar sinalização que oriente o uso de máscaras e demais procedimentos de higiene e limpeza, espalhados pelos espaços da unidade
  • Preparar profissionais para solicitar e acompanhar a carteira de vacinação de crianças. adolescentes, jovens e funcionários, mantendo-as atualizadas (atentando para que todos tenham sido vacinados contra a gripe Influenza)
  • Orientar toda equipe a manter as unhas curtas e sem esmaltes, para a prevenção de doenças, uso obrigatório de luvas no manuseio de alimentos e nas trocas de fraldas. Lembrar que as luvas não são eficientes como barreira total a micro-organismos; portanto, deve-se lavar as mãos antes e após as trocas de fraldas ou ações de higienização das crianças
  • Treinar a equipe de apoio para o uso adequado de produtos de higiene e limpeza – seguir as indicações das embalagens e produtores
  • Orientar utilização correta dos EPIs, seguindo os protocolos e técnicas adequadas, na entrada, saída e durante as atividades dentro da unidade (alimentação, trocas de fraldas, banhos, higienização dos dentes), contato com as pessoas e objetos
  • Treinar todos os trabalhadores para o uso correto contínuo dos EPIs (orientar os funcionários, por exemplo, quanto ao uso de máscaras e troca das mesmas se estiver úmida)
  • Treinamento de limpeza de todos os espaços da unidade e superfícies mais utilizadas, como: corrimão, maçanetas, dispenser, mesas, cadeiras, bancos, livros, brinquedos e outros materiais didáticos
  • Treinamento para cuidados pessoais: cabelos presos, unhas curtas, uso adequados de uniformes, entre outros

Equipamentos de Proteção Individual – EPI

 

  • 2 termômetros
  • Máscara de tecido para todos os funcionários (mínimo três)
  • Máscara protetora tipo face-shield para todos os funcionários
  • Recomendado uma quantidade de máscaras descartáveis para quaisquer emergências, principalmente para prestadores de serviços, entregadores ou familiares
  • Recomendado avental descartável para eventuais emergências, escapes de urina, fezes, vômito, por parte das crianças
  • Recomendado luvas plásticas e de procedimento, caso necessário para trocas
  • EPIs específicos para cozinha / limpeza / manutenção
  • Luvas plásticas de cores diferentes para cozinha / limpeza / manutenção
  • Luva longa e resistente para descarte de lixo

Orientação aos condutores, monitores, famílias e estudantes do transporte escolar

É imprescindível que todos os envolvidos compreendam a necessidade de colaboração e do cumprimento das regras e orientações, para que o transporte possa ser realizado com segurança, preservando a saúde de todos.

 

  • O uso de máscara para todos os ocupantes é obrigatório – estudantes da Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio
  • Adotar medidas de higiene, como cobrir a boca com a parte interna do braço ao tossir, higienizar as mãos, não mudar de lugar durante a viagem, manter o distanciamento físico
  • A ocupação dos assentos deverá ser limitada, com intervalo de um assento para liberação do uso
  • Portar álcool em gel a 70% nos veículos e garantir a aplicação de cada estudante, no mínimo, no início e no final da viagem. O frasco deve ficar sob os cuidados do monitor. Em hipótese alguma permitir manuseio do frasco pelos estudantes. É proibida a utilização de álcool líquido no interior dos veículos
  • Todos os ocupantes do veículo deverão ter suas mãos higienizadas constantemente, principalmente no momento de entrada no veículo
  • Manter os ambientes ventilados, evitando circular com janelas fechadas, considerando abertura permitida de 10 cm
  • Não permitir que os estudantes se alimentem ou compartilhem objetos dentro do veículo, evitando contato físico
  • Manter registros atualizados das viagens realizadas diariamente, com relação nominal dos estudantes, a fim de subsidiar potenciais controles de infecção e medidas de quarentena
  • Uma vez diagnosticada a COVID-19 em algum estudante, a família e a escola devem avisar os profissionais do Transporte Escolar
  • Estabelecer uma rotina de limpeza periódica e sistemática, com desinfecção entre viagens que contemple a cabine do motorista e assentos dos estudantes, piso e superfícies tocadas com frequência (maçanetas, corrimões, barras, alças de apoio etc.)
  • Equipar o veículo com cestos com sacos de lixo doméstico, esvaziar e lavá-los todos os dias
  • Medir a temperatura de cada estudante, com termômetro digital físico antes de entrar no veículo. Se houver algum sintoma ou febre (37,5°C ou superior), o estudante não deverá utilizar o transporte escolar
  • Se forem observados um ou mais sintomas em um estudante, durante a viagem de ida (como tosse, espirro, falta de ar, dor de garganta, fadiga), comunicar à escola na chegada
  • Evitar aglomeração dos estudantes no momento de entrada no veículo

A lavagem das mãos deve ser realizada, no mínimo:

 

  • Após a chegada à escola, de preferência em pia na entrada (na impossibilidade da pia, álcool em gel) supervisionada por colaborador da escola
  • Antes de voltar para a aula, principalmente após o recreio
  • Antes e depois de cada refeição
  • Antes de ir ao banheiro e depois de usá-lo
  • Depois de assoar o nariz, tossir ou espirrar

 

SOMENTE PARA INFANTIL

 

  • Metragens dos espaços para a hora sono (lembrando que a margem de cálculo de distanciamento de um colchonete para o outro é de no mínimo 1,5 m)
  • Manter distância de um metro entre as mochilas das crianças no local reservado à guarda
  • Avaliar como fica o kit de higiene bucal (sugestão de a criança manter na mochila)
  • Higienizar os colchonetes usados após o sono, com álcool 70%, todos os dias
  • As áreas externas deverão ser priorizadas
  • Organizar local aberto e ventilado prevendo a necessidade de acolhimento das crianças que apresentem febre ou outros sintomas relacionados à COVID-19, sempre sob a supervisão de um adulto
  • Organizar os acolhimentos das crianças tendo em vista as privações a que foram submetidas ou possíveis perdas de familiares
  • Enfatizar a prática da lavagem de mãos de todas as crianças, com frequência regular (desde a entrada, antes e depois de refeições, após uso do banheiro, depois de assoar o nariz, tossir ou espirrar; depois de tocar no lixo; após ações e situações educativas, bem como deslocamentos nos espaços) e restringir o acesso e uso de álcool gel pelas crianças, sempre na presença de adultos
  • Evitar mandar as crianças para a escola em dias de chuva
  • Atenção redobrada às trocas de fraldas, uso obrigatório de luvas higienização dos trocadores, lavar as mãos (com água e sabão seguindo o protocolo de lavagem das mãos), antes e após cada troca de fralda
  • Organizar o refeitório das crianças prevendo a distância mínima de 1 metro entre elas
  • Evitar o compartilhamento de objetos de uso pessoal entre as crianças
  • Buscar variações de brincadeiras dirigidas, individuais e coletivas que possam ser feitas a distância, tais como mímicas, peteca, corrida de obstáculos, entre outras
  • Proporcionar uma roda de conversa sobre o coronavírus (respeitando-se o distanciamento), deixar que as crianças demonstrem suas dúvidas, seus medos e suas impressões acerca do tema; o(a) professor(a) deve ter uma escuta atenta para aproveitar ao máximo as manifestações das crianças, explorando as mais diversas temáticas que sejam produzidas

Brinquedos que serão disponibilizados para as crianças:

 

  • Plástico e Reciclado – Quarentena de 3 dias ou higienizados com água e sabão todas as vezes que usar;
  • Papelão – Quarentena de 4 dias;
  • Madeira – Quarentena de 4 dias;
  • Pano – Lavar com água e sabão todas as vezes que usar;
  • Livro – Quarentena de 5 dias e no 6o dia higienizar com papel toalha e álcool 70%.

 

PARA TODAS AS FAMÍLIAS 

Garantir a saúde de todos é prioridade e o trabalho conjunto entre educadores e familiares será fundamental.

As famílias se responsabilizarão por:

 

  • Optar pelo retorno ou não da criança pela qual é responsável
  • Manter o diálogo e parceria com a escola, sobretudo através dos meios oficiais (ClipEscola, principalmente, e telefones e WhatsApp, quando for o caso); nesse momento, o uso da Agenda de papel como meio de comunicação está suspenso
  • Manter os contatos e dados atualizados
  • Manter vacinação atualizada, conforme o calendário oficial
  • Enviar cópia da carteira de vacinação atualizada para a escola
  • Atualizar/Identificar ficha de saúde, com informações de doenças pré-existentes que possam ser um fator de maior risco para COVID-19
  • Informar à instituição se e quando houver o acometimento de quaisquer membros da família ou do convívio familiar por COVID-19, inclusive das próprias crianças, mantendo-as em casa
  • Conversar com a criança sobre as modificações na rotina e prepará-la para encontrar pessoas utilizando máscaras e outros EPIs
  • Compreender e colaborar com as novas regras e protocolos estabelecidos por órgãos superiores e pela escola, tais como: aferição de temperatura na entrada; utilização de máscaras no período de permanência na escola (para crianças da Educação Infantil, recomendável; para estudantes do Fundamental e Médio, obrigatório; tempo máximo de uso para cada máscara: 2 horas); higienização de mãos e calçados; respeito ao distanciamento
  • Permanecer na escola o tempo estritamente necessário para o atendimento, descartadas outras possibilidades, como ClipEscola, telefone ou WhatsApp
  • Apropriar-se dos protocolos de saúde, assim como colaborar com as novas regras e protocolos da escola
  • Não enviar as crianças/adolescentes para a escola quando estiverem com temperatura acima de 37,5°C, ou com sintomas como dor de garganta, dificuldade respiratória, fadiga, coriza e dor de cabeça

Referências

Guia de implementação de protocolos de retorno das atividades presenciais nas escolas de educação básica (Ministério da Educação). Disponível em: https://www.gov.br/mec/pt-br/assuntos/GuiaderetornodasAtividadesPresenciaisnaEducaoBsica.pdf

Plano de retorno da educação (Governo do Estado de São Paulo). Disponível em: https://saopaulo.sp.gov.br/wp-content/uploads/2020/06/Apresentacao_plano-retorno-educacao.pdf

Plano São Paulo (Governo do Estado de São Paulo). Disponível em: https://www.saopaulo.sp.gov.br/planosp/

Protocolos Sanitários – Educação Etapa 1 (Governo do Estado de São Paulo). Disponível em: https://www.saopaulo.sp.gov.br/wp-content/uploads/2020/06/protocolo-setorial-educacao-etapa-1.pdf

Protocolos Sanitários – Educação Etapa 2 (Governo do Estado de São Paulo). Disponível em: https://www.saopaulo.sp.gov.br/wp-content/uploads/2020/06/protocolo-setorial-educacao-etapa-2.pdf

Protocolo Volta às aulas (Secretaria Municipal de Educação de São Paulo). Disponível em: https://educacao.sme.prefeitura.sp.gov.br/wp-content/uploads/2020/10/Protocolo_Etapas_Modalidades_rev23out.pdf